Os 5 Maiores Riscos às Construtoras de Imóveis

Os 5 Maiores Riscos às Construtoras de Imóveis
Tempo de leitura: 4 minutos

A construção civil, importante pilar na economia de um País, é sempre um mercado muito promissor. Ele requer, porém, extrema atenção e profissionalismo para evitar que projetos imobiliários, transformem-se em grandes problemas. Qualquer projeto demanda valores consideráveis antes mesmo de começar. E caso não haja um gerenciamento atencioso, o Valor Geral de Venda (VGV) podem sofrer reduções drásticas.

O mercado da construção civil pode ser bastante lucrativo, porém riscos mal dimensionados, e/ou falta de planejamento pode comprometer seriamente os projetos, gerando prejuízos e prejudicando a continuidade da empresa.

Continue a leitura deste artigo e veja uma lista com os principais riscos no empreendimento de imóveis.

 

1. Possibilidade de inadimplência.

Quem trabalha com vendas, seja da natureza que for, deve saber que seus clientes podem eventualmente atrasar algumas parcelas do pagamento. Na construção civil não é diferente, principalmente considerando os valores envolvidos e a responsabilidade financeira que a corporação adquire.

Ainda que existam meios de se fazer a cobrança e receber pelo que está em atraso, essas alternativas nem sempre são rápidas. Um processo judicial de execução de valores pode levar anos para chegar ao fim, principalmente se o devedor realmente não possuir meios para pagamento.

inadimplência é um dos riscos às construtoras

Por esta razão, a inadimplência é um dos riscos aos quais as construtoras estão sujeitas. O empresário do ramo precisa planejar-se para eventos dessa natureza e traçar estratégias para não ver seu resultado seriamente comprometido.

 

2. Problemas com a obra.

Quando a construtora deseja dar início a uma obra, geralmente capta recursos dos compradores para, então, arcar com os custos da construção. O resultado é atrelado a um bom gerenciamento dos custos e a uma política de vendas adequada e compatível com os objetivos do empresário.

Entretanto, alguns eventos não podem ser previstos, como desequilíbrio orçamentário, em função de situação não avaliada corretamente antes do início das obras, obra embargada por fatores externos ou acidente de trabalho. São situações que desestabilizam o planejamento e podem não ser totalmente abarcados pelo cronograma financeiro da obra.

riscos às construtoras: problemas com a obra

Além disso, os riscos relacionados à obra envolvem atraso na entrega ou defeitos na estrutura, que podem gerar uma série de complicações para o empresário, principalmente de natureza judicial. Tais processos podem conter indenizações, que comprometem a sustentabilidade do negócio, bem como a imagem da construtora. Considere, por exemplo, este caso em que mutuários serão indenizados por receber imóvel com defeitos, após entrarem com ação contra a Caixa Econômica Federal, a incorporadora e a construtora envolvidas no empreendimento.

 

3. Desvalorização.

Quando se busca a realização de um empreendimento, a empresa certamente busca por um terreno em local conhecido pela sua valorização, trazendo um diferencial significativo ao um mercado tão concorrido.

Espera-se a valorização do imóvel que tenha em suas proximidades bons comércios funcionais, escolas, hospitais, terminais de transporte público e tudo o mais que seja útil para que o morador não precise se deslocar a longas distâncias para resolver suas necessidades mais básicas.

Entretanto, em meio ao crescimento do bairro ou da cidade, o plano diretor, gabaritos e indicativo de zoneamento podem sofrer alterações. Essa é uma situação que deve ser atentamente acompanhada. O empresário deve sempre observar os indicadores de urbanismo, para que possa planejar e direcionar seus investimentos aos melhores locais de cada região.

 

4. Custos burocráticos não calculados.

Para que seja dado início a uma obra, a construtora precisa de uma série de documentações específicas. Todas as esferas da administração pública (Municipal, Estadual e Federal) se envolvem nesse processo por meio de diversas exigências, além das licenças ambientais que são indispensáveis.

Caso não se tenha em mãos qualquer um dos itens obrigatórios, a obra não pode ser iniciada e, como consequência, todo o andamento do investimento também ficará atrasado. Os custos para essas licenças devem ser considerados, e dependendo das características do empreendimento, podem demandar valores acima da média. Por isso, atividade de empreender no ramo da construção civil, requer planejamento ante estas obrigações legais, com um planejamento financeiro para fazer frente a estes custos iniciais, “pré obra”.

+ Leia Mais: Como reduzir os custos tributários na minha empresa?

+ Leia Mais: Iniciando um empreendimento? Saiba quais licenças ambientais sua empresa precisa.

 

5. Casos fortuitos e incidentes.

O empresário nem sempre está preparado para situações de força maior. É o caso de enchentes, terremotos, furacões, incêndios, desabamentos ou outros desastres que colocam em risco a estrutura do imóvel ou até mesmo o destroem. Alguns destes eventos são impossíveis de prever – ou evitar – e, por isso, esse é mais um dos riscos aos quais empresas da construção civil estão sujeitos.

A verdade é que a construção de imóveis, assim como em qualquer outro tipo de empreendimento, possui seus riscos, mas também inúmeras vantagens. Empresários constroem além de patrimônio, uma respeitabilidade no mercado, enquanto outros perdem tudo o que têm em razão de ausência de organização e planejamento, seja por conta de situações previsíveis ou não.

O importante é, antes de construir uma obra, considerar as questões aqui elencadas, dentre outras. A atenção e prevenção de riscos significa, além de exercer uma atividade empresarial de sucesso, contribuir na questão social da sua atividade, afinal todos temos como meta adquirir um imóvel. E, para tanto, as empresas da construção civil são os fomentadores e idealizadores deste mercado.

Se você se interessou por essas informações e deseja saber mais, entre em contato com nossa equipe. Tire suas dúvidas sobre controle de risco na construção de imóveis.

Comentários